Home
 Equipe
 Galeria de fotos
 Histórico
 Localização
 O Rebanho
 Alimentação
 Catálogo de vendas
 Caprinforma
 Cotações
 Curiosidades
 Dicas
 Notícias
 Raças
 Receitas
 Sanidade
 Técnicas
 Web Links
 Livro de Visitas
 Contate-nos

Você pretende ampliar seu negócio de Caprinos?

Sim               
Não               

  

 
 
 
Advertisement
 
 
10 Mitos sobre o Sal Mineral e a Mineralização   Versão para Impressão  Enviar por e-mail 
14 05 2005
1 - O animal regula o seu consumo conforme suas necessidades - Apenas para o sal branco (NaCl) existe essa aproximação. Mesmo assim, muitos outros fatores podem "desregular" este controle. O NaCl é também o único mineral pelo qual o animal tem desejo de consumo. Pode-se considerar, a grosso modo, que os demais minerais serão consumidos na proporção que o animal necessitar de sódio. Em outras palavras, um animal pode morrer de deficiência de certo mineral, exceto o sódio, mesmo tendo este mineral à sua disposição.

2 - Quanto maior o teor de nutrientes, melhor o sal - É comum a comparação da concentração de nutrientes das fórmulas na compra de minerais. Deve-se lembrar que o valor em questão representa apenas quantos gramas do nutriente há em cada quilo do produto. Vai depender do consumo de cada mistura a quantidade de nutriente que estará disponível para o animal. Por isso é muito importante conhecer o consumo. Este deve ser informado pelo fabricante ou calculado pelo pecuarista. Outro aspecto importante de ser salientado são alguns exageros cometidos em algumas fórmulas, quando a quantidade de certos nutrientes ingerida pelo animal acaba sendo várias vezes maior que a sua necessidade. Além disso ser, geralmente, desnecessário, pode ocorrer interferência do excesso desse mineral sobre os outros, prejudicando o desempenho animal. O ideal é haver um equilíbrio dos nutrientes.

3 - Os palatabilizantes são truques para maiores vendas - Muitos acham que a inclusão de palatabilizantes é apenas má fé das empresas para vender mais produto. De fato o objetivo deles é aumentar o consumo, mas de forma a apenas garantir o consumo desejado. Além disso ele tem outra função que é manter o consumo mais uniforme. Empresas que exagerem na dose de palatabilizante têm vida curta no mercado.

4 - Cálcio (Ca) e Fósforo (P) são para animais jovens - É comum ouvir que Ca e P são para animais jovens e os micronutrientes são para os mais erados. Isto se baseia no fato de o animal estar em crescimento e, para haver bom desenvolvimento ósseo, é necessário especial atenção para esses nutrientes. Na verdade, as exigências de Ca e P permanecem praticamente inalteradas durante a vida do animal, pois uma menor necessidade com o passar do tempo é compensada por uma menor eficiência de absorção. Além disso, o correto é sempre se preocupar com todos os nutrientes, de forma global, ou seja, macros e micronutrientes devem ter a mesma importância para todas as idades.

5 - Relação Ca: P deve ser 2:1 - Muitos compradores procuram observar se o teor de Ca é aproximadamente o dobro do teor de P. Essa seria a relação ideal para aproveitamento destes nutrientes, mas não apenas do sal e sim da dieta como um todo. Assim, só adianta o sal ter essa relação se o restante da dieta (por exemplo a pastagem) também tiver a mesma relação. E o superconsumo? Dietas com relações de até 7:1 não causaram problemas. Na verdade o problema maior é uma relação inferior a 1:1 (Ca menor do que P).

6 - Na seca não adianta mineralizar os animais - Alguns trabalhos mostram que não houve diferença entre animais que tinham acesso as misturas minerais completas e outros que consumiam apenas sal branco. O que deve ter ocorrido nestes casos é que outro fator foi mais limitante, afora os minerais. Na seca, esse fator costuma ser o baixo teor protéico das pastagens. Ao contrário de deixar de mineralizar, neste casom, o que se deve fazer é corrigir essa limitação primária usando, por exemplo, sal com uréia ou sais proteinados.

7 - Nas águas, o mineral não é tão importante - A visão da pastagem viçosa das águas pode fazer acreditar que a suplementação pode ser diminuída sem prejuízo para o desempenho. Errado! Esta é a hora em que o animal mais demanda nutrientes, pois está com um crescimento acelerado. Deixar de aproveitar essa época de crescimento é um grande desperdício. Além disso, há o perigo: o consumo de minerais tende a diminuir nesta ocasião. Este é mais um motivo para ter um bom controle de consumo na fazenda.

8 - O "map" misturado à água melhora o desempenho - Não necessariamente, pois só haverá resposta se a soma do P consumido através do sal mineral e da pastagem ainda for inferior às necessidades do animal. Normalmente não deve haver este problema. Considerando a difícil operacionalização do abastecimento via água, essa opção deve ser usadas apenas em casos extremos. Alguns acreditam que o suprimento do nitrogênio contido no MAP faria alguma diferença, mas - na verdade - a quantidade ingerida é muito pequena.

9 - O cocho deve ficar no lado oposto da aguada - Existe a crença que a colocação do cocho no lado oposto da aguada favorece a uniformidade do pastejo, pois obriga o animal a se movimentar através da pastagem. Entretanto, mesmo com o cocho no mesmo lado da aguada o comportamento do animal é andar pelo pasto. Outros fatores são mais determinantes na uniformidade de pastejo (lotação, tamanho da área, tipo de pastejo, formato do pasto...) independente do local do cocho. A distância do cocho à aguada pode ser usada para ajudar no controle do consumo (mais perto, aumenta; e mais longe, diminui). O aspecto mais importante da localização do cocho deve ser a facilidade de vistoria e abastecimento pelo salgador.

10 - Sal mineral é tudo a mesma coisa - O sal mineral por ser algo, a princípio, muito simples de ser feito, com tantas opções de marca, dá a falsa impressão que pode ser tratado como uma coisa só. Na verdade, e até por isso mesmo, deve-se procurar a segurança de firmas idôneas, cujos níveis de garantia sejam respeitados. Firmas que usem matérias primas adequadas, façam rotineiramente controle de qualidade na matéria prima e possuam um mínimo de supervisão técnica para garantir uma fórmula razoavelmente equilibrada e informações sobre o produto, como seu consumo por exemplo. Muitas empresas estão usando o artifício de incluindo elementos ou aditivos sem nenhum cabimento técnico ou de eficácia duvidosa, apenas para se diferenciar no mercado. Deve-se desconfiar de promessas de ganho muito grandes e também de preços muito baratos.

Sergio Raposo de Medeiros - E-mail: sraposo@netalpha.com.br


Fonte: Publicado em "Agropecuária Tropical" nº 117, fevereiro/março 2001.
 


 
Voltar para Principal
 

Nós temos 9 convidados online

 
1813923 Visitantes

 
Alimentação
Confira a importância da alimentação, na criação de caprinos, dicas e MAIS !!!
 
Cotações
Sessão contendo as Cotações de Caprinos atualizadas...
Confira !!!
 
Dicas
Confira agora mesmo a nossa sessão de dicas
Clique aqui !!!
 
Receitas
Você quer conhecer algumas receitas de caprinos?
Acesse aqui !!!
 
Sanidade
Análise do rebanho para verificação de possíveis doenças.
CONFIRA AQUI !!!
 
Créditos
Créditos