Home
 Equipe
 Galeria de fotos
 Histórico
 Localização
 O Rebanho
 Alimentação
 Catálogo de vendas
 Caprinforma
 Cotações
 Curiosidades
 Dicas
 Notícias
 Raças
 Receitas
 Sanidade
 Técnicas
 Web Links
 Livro de Visitas
 Contate-nos

Você pretende ampliar seu negócio de Caprinos?

Sim               
Não               

  

 
 
 
Advertisement
 
 
Hipotermia em Cabritos e Cordeiros Recém-nascidos   Versão para Impressão  Enviar por e-mail 
18 08 2005

Define-se como hipotermia ( hipo : diminuição e termia : temperatura), a redução significativa da temperatura corporal ao nível mais baixo da média normal, que no caso dos cabritos ou cordeiros é em média 39,5 °C .

Animal

Respiração

Pulso p/ minuto

Temperatura retal

Cabrito

15 - 18

115

38,5 a 40,5

Cordeiro

12 - 15

80 - 100

38,5 a 40,5

Os médios ruminantes são homeotérmicos, e como tais, mantêm uma temperatura corporal constante e estável. Para manter a homotermia é preciso uma taxa metabólica máxima do cordeiro e/ou cabrito (cerca de 18 kcal/hora). É improvável que animais vivam mais que algumas horas sem que essa exigência seja atendida.

Características - A enfermidade está relacionada a fatores como:

- Subnutrição das matrizes no período de pré-parto;

- Sensibilidade ao frio, que depende diretamente da reserva animal (gordura);

- Plano estabelecido para os filhotes;

- Fornecimento de colostro pós-nascimento;

- Fatores ambientais;

- Incidência direta de chuvas e corrente de vento. Nas regiões frias, a hipotermia representa uma das principais causas de mortalidade em neonatos.

Tais fatores estão relacionados com duas características da vida fetal:

- Tamanho da placenta, através da qual são fornecidos nutrientes e o oxigênio ao feto;

- Alimentação ministrada às matrizes, o que determina a quantidade de nutrientes disponíveis.

A enfermidade apresenta sintomatologia progressiva e produz uma diminuição das funções vitais. Necessita de interferência para que a temperatura seja normalizada e os parâmetros fisiológicos normais restituídos. 

Ocorrências - A hipotermia poderá acontecer nas seguintes situações:

- Animais idosos - sobretudo os que apresentam baixa escore corporal (animais muito magros), caquéticos (animais que apresentam alteração profunda no seu estado geral) e débeis (animais que apresentam fraqueza física muito acentuada, devida à alimentação insuficiente ou inadequada, carência de vitaminas ou anorexia (falta de apetite).

- Remissão de quadros febris, por convalescença às infecções.

- Debilidade neonatal.

- Anemias.

- Intoxicações.

- Icterícias.

Em todas estas situações são considerados três tipos de hipotermia:

1 - Por defervescência - quando os sintomas declinam por eliminação dos agentes pirogênicos (agentes que podem produzir febre, como um agente infeccioso);

2 - Por agravamento dos sintomas - ocorre quando há diminuição da temperatura e aumento da pulsação (ver tabela 1). Pode ocorrer por fadiga dos centros termorreguladores;

3 - Por intoxicação - ocorre quando substâncias tóxicas deprimem os centros produtores de calor.

Considera-se que uma hipotermia patológica acompanha os estados de colapso circulatório ou metabólico.

As respostas fisiológicas e bioquímicas que contribuem para o equilíbrio da termorregulação e perda de calor são complexas, porém, sabe-se que as respostas têm início quando a temperatura ambiente é inferior à temperatura crítica (até 28° C), quando o indivíduo tem que aumentar sua taxa metabólica para manter sua temperatura interna.

A temperatura crítica para neonatos é mais alta que para animais adultos. Quase todos os borregos e/ou cabritos nascidos ao ar livre sofrerão estresse por excesso de calor e frio.

Temperatura crítica de cordeiros e cabritos recém-nascidos

Idade

Peso ao nascer

 

3Kg 4,5kg

1 – 6 horas

37°C 32°C

14 – 20 horas

33°C 26°C

30 – 34 horas

31°C 22°C

A temperatura crítica determina o aumento da produção de calor, que influencia na demanda de energia e provoca efeitos negativos sobre o apetite e conseqüentemente sobre a produtividade. A exposição ao frio reduz inicialmente o apetite. Slee observou perdas de até 5kg durante o inverno.

Sobrevivência - Os principais fatores que influenciam na sobrevivência das crias são:

- Raça - há estudos sobre a variação de temperatura corporal em cordeiros recém-nascidos de diferentes raças, pressupondo taxas diferentes de mortalidade.

- Peso ao nascer - quanto maior o peso dos fetos ao nascimento, maiores serão suas condições de sobrevivência. A superfície corporal de um cordeiro pequeno é proporcionalmente mais elevada que a de um cordeiro maior. Isto significa que - em relação ao peso corporal - um cordeiro pequeno perde calor mais rapidamente que um cordeiro maior.

 

Mortalidade por insuficiência térmica

Peso ao nascer

Número de cordeiros

Número de mortos

Mortalidade

1,5 a 2,0 kg

9

9

100 %

2,1 a 2,5 kg

51

31

60,78 %

2,6 a 3,0 kg

118

40

33,89 %

3,1 a 3,5 kg

204

39

19,11 %

3,6 a 4,0 kg

193

21

10,88 %

4,1 a 4,5 kg

216

19

8,79 %

4,6 a 5,0 kg

168

15

8,92 %

5,1 a 5,5 kg

87

5

5,74 %

5,6 a 6,0 kg

52

2

3,84 %

6,1 a 6,5 kg

18

0

0,0 %

Fonte: Garcia (1986)

- Umidade – ambientes úmidos predispõem os neonatos à enfermidade.

- Condições climáticas – deve-se fornecer abrigo aos recém-nascidos contra chuvas e correntes de vento.

- Alimentação das matrizes – uma alimentação deficiente no terço inicial da gestação poderá determinar o tamanho da placenta, que poderá trazer graves conseqüências ao desenvolvimento do feto. É essencial estabelecer um programa nutricional adequado às matrizes no terço final de gestação, visando ao máximo crescimento potencial dos fetos. Uma alimentação deficiente resulta em fetos pequenos e com poucas reservas energéticas. É provável que fêmeas mal alimentadas apresentem pouca ou nenhuma produção leiteira.

- Nível nutricional das pastagens.

- Habilidade materna - A sobrevivência das crias está limitada às suas condições de reservas de energia corpórea (gordura) que dependerá principalmente da nutrição pré-natal de sua mãe com cerca de 300 kcal/kg. Fêmeas submetidas à essa dieta irão parir filhotes com reserva suficiente para sobreviverem por cerca de 12 horas sob mau tempo e cerca de 3 dias sob tempo bom.

Colostro - Diretamente relacionada a estas variáveis estão a rapidez com que o filhote levanta-se e mama o colostro após o nascimento. O colostro é essencial à sobrevivência dos recém-nascidos, visto que as imunoglobulinas (IgG e IGA) ajudam na prevenção das enfermidades.

A ingestão precoce de colostro tem uma vantagem adicional para os recém-nascidos. Ele ajuda mais aqueles que apresentam boas reservas enérgicas, gerando um incremento na produção de calor de até 17%, o que aumenta sua resistência à hipotermia.

Caso a matriz não disponha de colostro ou este não seja suficiente, pode-se fornecer, se necessário, por meio de sonda gástrica, colostro artificial que consiste em:

- 2 litros de leite

- 5 ovos

- 3 colheres de destrose (mel de abelha)

- 3 colheres de farinha Láctea

- 3 colheres de leite de soja

- 3 colheres de calcigenol

Esta mistura poderá ser congelada e guardada. Deve ser fornecida aos recém-nascidos na razão de 50 ml/kg, 2 ou 3 vezes ao dia.

Fatores que influenciam - Os fatores que afetam a perda de calor podem dividir-se em fatores que dependem dos neonatos e fatores que dependem do meio-ambiente. Alexander ( 1962 ) cita que quando se expõe um recém-nascido a baixas temperaturas, a produção de calor acontece por dois mecanismos:

1 - Metabolismo da gordura corporal;

2 - Fatores ambientais.

A produção de calor deficiente tem estreita relação com a carência aguda de oxigênio, o que pode ocasionar morte prematura dos neonatos por hipoxia (carência de oxigênio). Eles permanecem letárgicos, gerando pouco calor orgânico, o que torna a hipotermia inevitável. Recém-nascidos prematuros que sofreram hipoxia no momento do seu nascimento estão especialmente predispostos a sofrer hipotermia, bem como animais procedentes de partos duplos ou triplos.

Perdas de calor orgânico por conta da inanição (fome) dos neonatos por um período superior a 6 horas causam o abaixamento dos níveis de glicose no sangue (hipoglicemia). Os principais fatores que afetam a perda de calor são a temperatura e a velocidade do vento. As matrizes podem reduzir consideravelmente as perdas de calor do recém-nascido, secando-o imediatamente após o parto e proporcionando-lhes abrigo.

Prevenção - A prevenção dá-se pela aplicação prática dos conhecimentos de manejo e pelo histórico da ocorrência de casos na região. Se a maioria dos casos apresenta-se a partir de 12 horas, é provável que a inanição seja a principal causa. Nesse caso deve-se ter cuidado com a alimentação das gestantes no terço final de gestação e logo após o parto. Por ocasião do parto, é interessante separar e dispensar maiores cuidados aos recém-nascidos, sobretudo de ovelhas débeis e/ou muito velhas.

Lesões - A hipotermia só pode ser diagnosticada tomando-se a temperatura retal dos cordeiros. Em último caso, o exame pós-morte (necropsia) poderá indicar as causas do problema (estômago vazio, pouca reserva energética, sinais de desidratação, peso corporal débil, etc.). Considera-se ligeiramente hipotérmico, o animal que apresenta temperatura entre 37°C e 39°C . É gravemente hipotérmico quando apresenta temperatura inferior a 37°C .

Tratamento - Recém-nascidos débeis que apresentarem temperatura inferior a 38°C deverão ser secos e posteriormente aquecidos e alimentados (com colostro até 12 horas após o nascimento e com leite após esse período). Se o estado de debilidade for grave, deve-se aplicar, por via intraperitonial, uma solução de glicose a 20%, na razão de 30 ml, mais antibióticos de ação prolongada por via parenteral.

Se for necessário, ministrar - via sonda gástrica - 200 ml de colostro artificial 3 vezes ao dia, até que o cabrito ou cordeiro consiga mamar por conta própria. Deve-se tomar a temperatura de hora em hora, até que a mesma se restabeleça.

Palas Atenas - é Veterinária. Informações: palasatena13@hotmail.com


Fonte: Revista O Berro Nº 80 - Agosto/2005.


 
Voltar para Principal
 

Nós temos 5 convidados online

 
2545768 Visitantes

 
Alimentação
Confira a importância da alimentação, na criação de caprinos, dicas e MAIS !!!
 
Cotações
Sessão contendo as Cotações de Caprinos atualizadas...
Confira !!!
 
Dicas
Confira agora mesmo a nossa sessão de dicas
Clique aqui !!!
 
Receitas
Você quer conhecer algumas receitas de caprinos?
Acesse aqui !!!
 
Sanidade
Análise do rebanho para verificação de possíveis doenças.
CONFIRA AQUI !!!
 
Créditos
Créditos