Home
 Equipe
 Galeria de fotos
 Histórico
 Localização
 O Rebanho
 Alimentação
 Catálogo de vendas
 Caprinforma
 Cotações
 Curiosidades
 Dicas
 Notícias
 Raças
 Receitas
 Sanidade
 Técnicas
 Web Links
 Livro de Visitas
 Contate-nos

Você pretende ampliar seu negócio de Caprinos?

Sim               
Não               

  

 
 
 
Advertisement
 
 
Recria de Caprinos e Ovinos   Versão para Impressão  Enviar por e-mail 
28 10 2006
1. Definição
A recria é a fase do sistema de produção que é iniciada após o desmame das crias. O objetivo da recria é melhorar a condição corporal dos animais, preparando-os para o acabamento ou para a reprodução, de acordo com a finalidade da criação.

2. Período de Recria
Não existe uma duração pré-estabelecida para a recria de caprinos e ovinos. No caso de animais para abate, o desejável é que esta fase não exista, isto é, que os animais passem diretamente do desmame para a fase de acabamento. Mas, em situações em que as crias são desmamadas com menos de 15 kg, os animais devem ser submetidos a uma fase de recria até atingirem esse peso.

A recria é de suma importância para animais destinados à reprodução, considerando tratar-se de um período preparatório para a incorporação dos indivíduos à fase de produção. Ressalte-se que a idade e o peso em que fêmeas e machos alcançam a puberdade e a maturidade sexual são muito importantes para o desempenho produtivo dos indivíduos.


3. Alimentação
Embora a fase de recria se inicie após o desmame, é importante considerar que, no transcorrer da fase de produção, os animais sejam manejados para obtenção de crias com peso ao desmame condizente com o potencial genético dos animais das raças ou grupos genéticos em questão.

Por tratar-se de ruminantes, a alimentação deve ser baseada, principalmente, em volumosos, os quais abrangem uma grande variedade de alimentos, como forragens verdes e conservadas (feno e selagem). Ressalte-se que estes alimentos devem ser de boa qualidade nutritiva, no sentido de atender aos requerimentos nutricionais desta categoria animal, os quais são elevados. A inclusão de uma leguminosa, a exemplo da cunhã (Clitoria ternatea) ou da leucena (Leucaena leucocephala), como parte da fração volumosa da dieta é uma medida importante, em virtude do elevado teor protéico e da boa palatabilidade destas forrageiras.

Outra boa fonte de volumosos, abundantes no Nordeste brasileiro, são os resíduos da agro-indústria frutífera. Com a expansão das áreas irrigadas, a produção de resíduos já representa uma fonte considerável de alimentos de boa qualidade nutricional. O uso de concentrados na exploração caprina e ovina de corte poderá ser adotado porém, unicamente, como complementação da dieta.

Independentemente de raça, a decisão de quando cobrir ou inseminar artificialmente as fêmeas pela primeira vez está na dependência direta do peso dessas à puberdade. E, esta é fortemente e diretamente influenciada pelo regime de manejo, isto é, extensivo, semi-intensivo e intensivo e pelas práticas de alimentação-nutrição às quais os animais são submetidos no transcorrer da recria. Outrossim, também, a taxa de ovulação guarda relação estreita com a condição corporal das fêmeas à puberdade.

A suplementação mineral é uma prática indispensável, já que, neste caso, é destinada a indivíduos jovens em fase de crescimento, e que estão sendo preparados para serem incorporados à fase de produção ou serem destinados ao acabamento.


4. Peso e Idade à primeira Cobertura
A idade e principalmente o peso dos animais são importantes fatores a serem considerados, já que são diretamente relacionados com a economicidade dos sistemas de produção. Assim, a primeira cobertura, das fêmeas, só deve ser permitida quando estas estiverem com, no mínimo, 60% do peso corporal médio à idade adulta, levando-se em consideração as diferenças raciais.


5. Separação por Sexo
A separação por sexo irá depender dos objetivos da exploração. No caso de recria de animais para reprodução, a separação por sexo torna-se indispensável, considerando-se que a fase de recria só terminará quando os indivíduos estiverem prontos para a reprodução. Ressalte-se que a não separação dos animais, por sexo, ensejará a ocorrência de coberturas indesejáveis, o que não é interessante, particularmente para os caprino-ovinocultores que fazem seleção.

Todavia, no caso de exploração mista de caprinos e ovinos, e que a recria seja procedida a pasto, especialmente em pastagens cuja composição florística seja muito variada, a exemplo da caatinga, a manutenção de animais de sexos diferentes, porém de espécies distintas, é vantajosa, devido a dois pontos principais: primeiro, por reduzir custos com construção de cercas; e segundo, devido ao fato de as duas espécies terem hábitos alimentares diferenciados, em geral não competindo pelas mesmas espécies botânicas. Em geral os caprinos preferem ervas de folhas largas (árvores e arbustos), enquanto os ovinos selecionam de preferência ervas de folhas estreitas (gramíneas) e dicotiledôneas herbáceas. Este aspecto favorece positivamente a produtividade da unidade produtiva.

Por outro lado, em explorações onde se usa o cruzamento industrial, o que significa que os animais de ambos os sexos serão levados para o abate em idade precoce, a separação dos indivíduos por sexo poderá ser evitada, porque, embora possam ocorrer algumas coberturas, as mesmas serão interrompidas no início da prenhez.


6. Cuidados Sanitários
O manejo sanitário deve ser essencialmente preventivo. Assim, dois aspectos merecem especial atenção:

O primeiro refere-se a higienização das instalações (retirada frequente do esterco), de forma que estas permaneçam sempre condizentes com a boa saúde dos animais.

O segundo aspecto relaciona-se com o controle das helmintoses gastrintestinais. Antes de se transferir os animais para a área de recria, os mesmos devem ser vermifugados após submetidos a um jejum prévio de, no mínimo, 12 horas.

Em sistemas de recria a pasto, deve-se procurar utilizar áreas que estejam em repouso por um período de 30 a 40 dias. Aumentando-se o período de repouso, poderá ser melhorada a eficácia do controle da verminose, porém, com o passar do tempo, verifica-se uma redução na qualidade da forragem. O bom senso do produtor deve prevalecer, no sentido de ser mantido o ponto de equilíbrio entre estes dois fatores.

Uma boa alternativa é o controle periódico do grau de infestação parasitária, através da realização sistemática de exame de OPG (contagem do número de ovos por grama de fezes). Assim, recomenda-se fazer a vermifugação do rebanho quando o nível de OPG for igual ou superior a 500.

Outros cuidados sanitários, como vacinações, devem ser mantidos, de forma a garantir a boa saúde dos rebanhos.


 
Fonte:Dr. Nelson Nogueira Barros - Pesquisador da Embrapa Caprinos e extraido do site Accoba.

 


 
Voltar para Principal
 

Nós temos 16 convidados online

 
1765658 Visitantes

 
Alimentação
Confira a importância da alimentação, na criação de caprinos, dicas e MAIS !!!
 
Cotações
Sessão contendo as Cotações de Caprinos atualizadas...
Confira !!!
 
Dicas
Confira agora mesmo a nossa sessão de dicas
Clique aqui !!!
 
Receitas
Você quer conhecer algumas receitas de caprinos?
Acesse aqui !!!
 
Sanidade
Análise do rebanho para verificação de possíveis doenças.
CONFIRA AQUI !!!
 
Créditos
Créditos